DIGO 2020

..

O V FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DA DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO DE GOIÁS (DIGO)

“O cinema não é para entreter. É para fazer sonhar! ”
(Win Wenders)
..

V DIGO – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA DA DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO DE GOIÁS

O DIGO é um festival de filmes que tem por objetivo estimular e promover a conscientização do público, no que tange o respeito integral aos direitos humanos e a inclusão. De 18 a 24 de junho nos Cinemas Lumiere do Banana Shopping. O evento foi pioneiro no centro-oeste brasileiro, por isso DIGO, que Goiás – terra do pequi e das Cavalhadas será destaque pela quinta vez do cinema voltado para a diversidade mundialmente. A luta não pode parar e mesmo com todas adversidades seguimos em frente com orgulho, coragem e de peito aberto contra a repressão e o preconceito, é preciso ser forte, estamos aqui é ocupamos o nosso espaço na sociedade como pagantes de impostos e seres humanos.

A proposta é evidenciar a 7ª arte e suas cores pautada na luta pelos direitos humanos. Além disso, oportunizar todo tipo de manifestação artística gerando diversidade, inovação e amor sem preconceitos ou restrições. O projeto articula audiovisual, educação e tecnologias para ampliar o universo da expressão e da percepção estética da diversidade brasileira, propondo abordar não só a sexualidade, mas incorporar o sentido da realidade do ser humano e suas nuances. Assim, iremos promover as questões relacionadas a diversidade sexual, com foco sempre no respeito integral e desde sua primeira edição alcançou um público de milhares de pessoas interessadas em aprender mais sobre a diversidade e suas nuances.

Vamos discutir em pleno 2020 as Mulheres LGBTI+ da cultura e do audiovisual que merecem um destaque e discussão especial por ainda estar em um cenário assimétrico onde é preciso estimular o protagonismo em um espaço repleto de desafios e também o envelhecimento da comunidade LGBTI+ vítima de um preconceito duplo provindo do padrão de juventude e o fantasma da solidão que o que o torna invisível por diversos fatores provindos da sociedade.

O DIGO tem o diferencial de distribuição de filmes da programação, e já o fez para países como o EUA, México, Peru, Itália, Portugal, Venezuela e outros, além de participação em mostras itinerantes e cineclubes. Proporciona, portanto, aos inscritos a possibilidade de participação na programação em festivais internacionais em regime de network tanto em mostras paralelas e/ou competitivas sendo um diferencial importante para os realizadores, por ser um festival vivo, constante e atuante mundialmente.

Como um dos fundadores da Red DIVERCILAC – Diversidad en el Cine Lationamericano y Caribeño – rede de festivais da América Latina e do Caribe, já inspirou e produziu parcerias internacionais como a criação do INDIGO Festival da Diversidade de Almada, Portugal, se tornando uma importante vitrine de audiovisual com a temática LGBTI+.

Nos 7 dias do DIGO serão mostras paralelas e competitivas. Sendo que somente os filmes escolhidos pelo júri oficial e júri popular receberão o troféu DIGO. Ainda está previsto a realização de mesas com convidados de todo o Brasil que irão tratar sobre os interesses LGBTI e após a exibição dos filmes debates para dialogarmos as temáticas que envolvam a diversidade sexual e a de gênero, além de diversas atividades no mês de junho e julho com a sigla #digoconvida que representa a necessidade do festival crescer e aumentar o período de reflexão, discussões, ações e consequentemente maior visibilidade LGBTI+.

#vemprodigo

Cristiano Sousa
– Diretor DIGO

The V DIGO – GOIAS SEXUAL DIVERSITY AND GENDER INTERNATIONAL FILM FESTIVAL

Seeks Submissions

There’s a LGBTTTIS film festival gearing up for the fifth edition, with the DIGO – Goiás Sexual Diversity and Gender International Film Festival planning to run from June 18th to 24th at Banana Shopping, in Goiânia Goiás, Brazil. It’s currently seeking submissions of short films from now until April 15th

The DIGO festival aims to encourage and promote public awareness regarding the full respect for human rights and the inclusion of minorities.

The project encompasses audiovisual, education and technologies to ‘expand the universe of expression and aesthetic perception of diversity, proposing to address not only sexuality, but incorporate a sense of who we are, as promoting the issues related to sexual diversity, focusing always in full compliance and respect’.

DIGO is part of the Red DIVERCILAC – Diversidad em el Cine Lationamericano y Caribeño – which is a network of festivals in Latin America and the Caribbean which will provide subscribers the possibility of participation in anothers international festivals programming.

It is planned that during the seven days of DIGO, there will be numerous activities at Cinemas Lumiere, Goiânia GO, Brazil. There will also be exhibitions, debates and DIGO awards for films chosen by the official jury and public.

#cometodigo

Cristiano Sousa
–DIGO Director

Desde que eu comecei a fazer cinema sempre tive em mente contar histórias da minha comunidade. Foi assim que surgiu a idéia do meu primeiro curta-metragem ‘Um dia na vida de uma estrela’ e aos poucos eu e um grupo de cineastas começamos a nos auto-definir cineastas LGBTI+. Esse movimento ocorreu não apenas em São Paulo, mas no Brasil todo. Na primeira década do século XXI, as produções LGBTI+ cresceram e o Brasil aos poucos começou a se tornar referência nesse tipo de cinema. Mas, algo me incomodava muito, como um país do tamanho do nosso tinha tão poucos festivais que se dedicavam a esse tipo de cinema. Foi ai que surgiu o meu mestrado que tinha como temática a Identidade LGBTI+: como somos vistos, como queremos ser vistos e como devemos ser vistos. O meu sonho era ter pelo menos um festival LGBT+ em cada estado do Brasil. O RECIFEST surgiu a partir daí quando encontrei em Recife o Rutilio de Oliveira em 2012. Um pouco mais tarde fiquei muito feliz com a idéia do Cristiano Sousa em criar o DIGO. Lembro de quando mandei uma mensagem para ele pedindo para fazer a curadoria da primeira edição do festival.

De lá para cá muita coisa mudou. A produção LGBTI+ amadureceu, triplicou de número e em tempos tão sombrios o festival se tornou obrigatório.

Na curadoria o Cristiano e eu procuramos mostrar o que tem de mais moderno na produção mostrando sem medo o personagem LGBTI+ do jeito que é com seus defeitos e qualidades.

A cada ano vemos uma nova safra de cineastas de todos os gêneros e de todo território nacional e vibramos tanto quando vemos um novo nome, mas também quando vemos cineastas que continuam a contar as nossas histórias nas telas.

Longa vida ao cinema LGBTI+ e ao DIGO.

Ricky Mastro
Curador